sexta-feira, 3 de julho de 2015

14°Capítulo


POV VANESSA

                - Eu não posso Ash!
                - Vai por mim – Ashley disse – Conte antes dele embarcar naquele avião!
                - Ou? – eu a encarei.
                - As bebidas! – Chris disse se sentando ao lado de Ashley.
                - Acho que batizaram o ponche! – Zac disse rindo me oferecendo um copo.
                - Não vou beber! – eu disse a ele.
                - Okay! – Zac respondeu.
                - Porque não? – Ashley se intrometeu.
                - Porque não quero! – eu respondi e ela riu.

A noite passou rápido e agradável, Ashley não mais me afrontou, mas eu via os olhares que ela me dava em tempos e tempos. Após as escolhas do Rei e Rainha do baile, que era óbvio que Ashley e Chris ganhariam, olhei para Zac que estava rindo ao meu lado olhando para a prima e o amigo que estavam fingindo chorar de emoção em cima do palco. Não resisti e sorri vendo a cena, mas meu sorriso desapareceu quando percebi Megan vindo em nossa direção.

                - Esse ano foi surpresa não é Efron? – ela disse se dirigindo ao meu namorado.
                - Dessa vez não foi roubado, é o que você quis dizer? – ele disse estreitando os olhos para ela, que apenas sorriu com petulância.
                - Até breve – ela disse e o beijou na bochecha – Boa viagem!

Eu não sabia o que fazer depois de ver aquela cena. Nem ele. Zac apenas me olhou apreensivo, eu sorri em reação ao nervosismo dele, e limpei o que aquela vadia tinha deixado em meu namorado, uma marca feia de um batom de mau gosto.

                - É melhor irmos embora! – eu disse a ele.
                - Tudo bem – ele sorriu – Vamos se despedir da Ash e do Chris, e depois vamos!

E assim fizemos, caminhamos até o casal que havia acabado de descer do palco. Ashley estava sorridente ajeitando a coroa em sua cabeça.

                - Ficou linda amiga! – eu disse.
                - Agora é “Majestade”! – Ash respondeu rindo
                - Nós já vamos. – eu anunciei e ela me encarou – Não começa! – eu a repreendi.
                - Sete da manhã – ela disse – Nos vemos no aeroporto.

Ashley passou a ser mais do que amiga, ela se tornou uma irmã, e por ser prima de Zac isso aconteceu mais rápido que pude imaginar.

                - Pensa bem! Ele tem que saber. - ela disse me encarando.
                - Eu vou contar, só não sei se é hoje!

POV ZAC

                - Quer ir dirigindo? – eu perguntei e encarei a Nessa.
                - Por quê? – ela me perguntou e eu dei de ombros – Tava batizado mesmo?
                - Acho que sim. Você está meio embaçada. – eu disse estreitando os olhos e ela riu.
                - Você não me engana, sei que não está bêbado!
                - Assim você me magoa. – a respondi rindo. – Madame! – disse abrindo a porta do carro.
                - Você sabe que eu te amo, não é? – ela me encarou antes de entrar.
                - Acho que sim – eu sorri.
                - Estou falando sério Z!
                - Eu sei amor! – respondi a beijando em seguida – Eu também te amo!

Fazia dias que ela não estava sendo... Ela! Nessa estava estranha comigo, como se ela estivesse escondendo algo de mim, e não sabia como dizer. Começamos a fazer o caminho para a minha casa. Como essa seria a minha última noite em Los Angeles, ela preferiu passar a noite na minha de que na casa dela.

                - Você está quieta.
                - Estou pensando no futuro. – disse enquanto olhava a paisagem pelo vidro do carro.
                - Em que exatamente?
                - Nós vamos conseguir manter o nosso namoro? – ela me encarou.
                - É claro que vamos – tentei ser otimista – Virei todos os fins de semana para te perturbar!

Ela sorriu pra mim. Eu iria sozinho para outro lado do país, ela ficaria. Ambos estávamos apreensivos, sabíamos que não seria fácil, mas tentaria, e se dependesse de mim, conseguiríamos.
 
                - Minha mãe disse pra eu te pedir em casamento! – eu disse rindo e ela me encarou com um olhar assustado. – Mas não vou pedir. Não agora!
                - Acho que eu não seria uma boa esposa!
                - Você seria uma ótima esposa!
                - Me engana que eu gosto! – ela disse séria.
                - Quer apostar? – eu a encarei quando paramos em um sinal.
                - Quero!
                - Apostado então!

Rimos e voltamos ao nosso caminho. Menos de 10 minutos depois, já estávamos adentrando a garagem de minha casa, quer dizer, da casa dos meus pais.

                - E iremos morar onde? – ela disse assim que abri a porta do carro pra ela.
                - Debaixo da ponte é que não será! – eu disse divertido.
                - Estou falando sério.
                - Meu pai com toda certeza irá nos dar uma casa, ou um apartamento, no mínimo.
                - Você sempre recorre aos seus pais! – ela disse rindo.
                - Ninguém mandou fazerem filhos, agora arquem com as conseqüências.
                - Talvez foi um acidente! – ela disse.
                - Ninguém faz filho por acidente, pode ser não planejado, mas acidente não. Ninguém cai em cima do sexo do outro, tem um orgasmo, ou não, tem uma ejaculação, fertilizou e boom. – ela me encarava assustada – Está grávido! – eu a encarei – O que foi? – ela respirou.
                - Estou grávida!
                - Não cola Nessa! – eu disse rindo e ela permaneceu séria – Sério?
                - Eu não sei o que aconteceu. E antes que você começa a dizer todas as formas que isso acontece, eu tenho que dizer que estou apavorada, e não sei o que vou fazer sem você do meu lado.
                - Mais alguém já sabe? – eu disse com lágrimas nos meus olhos a vendo começar a chorar – Há quanto tempo você sabe disso?
                - 1 mês!
                - 1 mês? – eu repeti incrédulo – Você escondeu isso de mim por um mês?
                - Eu não sabia o que fazer. Pensei em até terminarmos.
                - Por quê?
                - Eu não posso atrapalhar o seu futuro! – ela disse chorando.
                - Você é o meu futuro! – eu disse calmo e ela me encarou negando com a cabeça.
                - Você tem que ir pra Universidade!
                - E eu vou! – eu disse rindo – E você também!
                - Você não ouviu nada do que eu disse? – ela me encarou furiosa – Eu estou grávida. Não vou poder fazer faculdade, tenho que trabalhar pra sustentar essa criança. Não vou dormir a noite pelo resto da minha vida, não vou...

Não a deixei terminar. Às vezes ela fala de mais, e esse era um desses momentos. A segurei e a beijei, como nunca havia feito antes. Eu ia ser pai. Okay. Isso poderia ter esperado sei lá, uns dez anos, mas não. Vai ser daqui a nove meses, quer dizer, oito meses.

                - Vai dar tudo certo. – eu disse a encarando – Você vem comigo. Acordamos cedo, vamos à sua casa, você arruma suas coisas, e vamos juntos pra Massachusetts.
                - Você está louco! – ela disse.
                - Não. Estou bem consciente.
                - Meus pais não irão admitir essa loucura!
                - De você ir comigo ou ser mãe aos 18?
                - Eu te mato! – ela disse furiosa.
                - Toma cuidado. Você não quer que nosso filho nasça sem pai, ou quer? – ela me encarou rindo.
                - Só você pra me fazer rir neste momento.
                - Então, vai comigo ou não?
                - Você não entende. Somos dois loucos que não sabe sobreviver sozinhos, e agora pra ajudar, chegará uma criança.
                - Agora, neste exato momento não chegará nenhuma criança. Creio eu! – ela riu – Mas temos que ficar juntos. Você vai comigo, está decidido.
                - Ah é? E como vamos nos sustentar, sabe tudo?
                - Oh sabichona, meu pais são ricos – ela começou a rir – muito ricos.
                - Seus pais e não você! – ela disse com braços cruzados.
                - Agora você me ofendeu! – eu coloquei a mão no meu peito e ela se aproximou de mim.
                - Eu te amo, e sei que você está falando sério, mas eu tenho que ficar e conversar com meus pais, e com os seus. Depois a gente decide o que vamos fazer.
                - Okay então! – eu disse – Eu posso pedir um favor?
                - Pode! – Vanessa disse sorridente.
                - Casa comigo?
                - Daqui a alguns anos: Sim!
                - Não. Agora, neste exato momento.
                - Não tem como. – ela sorriu – Nenhuma igreja e nenhum cartório estão abertos a três da manhã.
                - Mas você aceita?
                - Sim. Eu aceito.
                - Okay. Daqui um mês a gente se casa!
                - O que? – ela disse assustada.

                - Um mês pro casamento, mas a lua de mel pode ser hoje? Porque estou com uma vontade imensa de amar a mãe do meu filho?!

-------------------------------

E aí pessoal?
Desculpas a demora, mas estou com déficit de imaginação.
Bom, por este motivo vou começar, ou tentar, escrever a reta final.
Espero que vocês tenham gostado do capítulo, e que me perdoem.
;)

-L

5 comentários:

  1. Eu ameii... Tava com saudades.
    Que bom q a Vanessa ouviu a Ash e contou ao Zac que está grávida... Agora espero q os pais deles compreendam e fiquem do lado deles!!
    Posta mais
    Xoxo

    ResponderExcluir
  2. Ai mds que bom que ela contou, eu ja tava com o coração na mão, e que bom que o Zac reagiu assim, tomara que de tudo certo pra eles.posta mais bjs bjs

    ResponderExcluir
  3. Ai que lindo o Zac ficou todo feliz com a noticia de ser pai. Adorei o capitulo e tenho certeza que o Zac e a Vane vão ser felizes e amei o pedido de casamento. Bjos amore posta logo tua fic esta incrível

    ResponderExcluir
  4. Cara que capítulo perfeito *-*
    Ainda bem que a Nessa contou pro Zac
    gente, o Z é um fofo
    ♡♡♡♡ posta mais amore
    kisses

    ResponderExcluir
  5. Kkkkk...rindo horrores com o final do capítulo.
    Ainda bem que a Vanessa contou que estava grávida.
    Amei ver que o Zac gostou da novidade.
    Ansiosa pela reação dos pais deles.
    Posta loguinho
    Bjos

    ResponderExcluir

Expresse sua opinião e deixe sugestões ;)