domingo, 9 de agosto de 2015

CAPÍTULO 1


- O chefe quer te ver Vanessa!
Saltei na cadeira quando ouvi Ashley, minha supervisora chamar a minha atenção. Como assim o chefe quer me ver? Ai Meu Deus! Eu vou ser despedida. Só pode ser isso! O senhor Efron não fala com ninguém na agência. Ninguém mesmo. Apenas com o advogado e os supervisores, mas nunca com os designers. Que é onde eu me encaixo.
- Ele não tem todo o tempo do mundo. – Ashley disse novamente me tirando do meu transe, me levantei na mesma hora – Chris vai te acompanhar até o escritório.
Ashley sorriu para Chris, o advogado, e saiu deixando eu a sós com aquele homem que nada dizia. Começamos a caminhar pelo corretor que levava até o escritório do todo poderoso chefão.  Monique, secretária do patrão, deu um meio sorriso, enquanto o advogado abria a porta e me dava espaço para adentrar a sala ampla e luxuosa. Um dos atrativos de liderar a melhor agência de publicidade da América.
- Sente- se – Chris disse – ele já está a caminho.
E saiu. Simplesmente saiu me deixando sozinha naquela sala. Naquela sala. Nunca sequer tinha falado com o chefe, nem mesmo na minha entrevista para a vaga há dois anos.

- Desculpe a demora. – ele disse entrando na sala. Que homem! – Tive uma reunião de emergência via internet. Perdoe-me! – ele sentou na cadeira a minha frente, atrás de sua oponente mesa.
- Sem problemas!
- Senhorita Hudgens, a senhora tem um belo currículo!
- O senhor não vai me demitir né? Sei que não tenho família pra sustentar, até imaginei dizer que tinha uns cinco filhos, pra tentar fazer o senhor trocar de opinião em meu respeito. Eu não posso perder esse emprego, senhor...
- Senhorita Hudgens! – ele diz com uma voz que me arrepiou. – Eu não a demitirei.
- Não? – perguntei receosa.
- Não. Tenho uma proposta para você!
- Pra mim?
- Sim.

Ele sorria cautelosamente. Ou talvez esse seja o jeito dele sorrir. Ninguém na agência já o viu sorrindo. Também acho que ninguém reparou o quanto ele é bonito. Ele é jovem. Bem jovem. No máximo tem uns 30 anos, veste terno completo, gel no cabelo com toda certeza.

- Quer algo pra beber? Café, água ou suco? – neguei com a cabeça – Antes de irmos pro ponto central de nossa conversa, quero deixar bem claro, que independente de sua resposta, seu emprego está seguro.  – eu sorri agradecida – A proposta que tenho pra fazer a você, é benéfica para nós dois. Meu advogado está aqui para supervisionar nossas negociações e garantir que façamos um acordo justo. Está entendendo?

Fiz que sim. E ele relaxou os ombros, e abriu seu blazer. Chris, estava no canto da sala girando uma caneta entre os dedos, claramente sendo contra os planos do patrão.

- Srta. Hudgens – ele começou – como sabe, eu moro e trabalho neste país há muito tempo. Este lugar é meu lar. Aqui foi onde eu construí tudo o que é importante pra mim. Mas eu nasci em Londres, na Inglaterra.  

Ele fez uma pausa dramática e me encarou. O que ele está pretendendo como essa introdução à autobiografia.

- Infelizmente, confiei na pessoa errada pra cuidar da papelada que me permitiria morar e trabalhar legalmente em território americano. Ele me roubou muito dinheiro, mas, pior que isso, ele não preencheu direito os papéis. Eu não estava ciente até receber uma notificação do Serviço de Imigração e Naturalização, o INS, dizendo que eu não era mais bem-vindo no país. - ele fez uma pausa, mexendo nas abotoaduras. - Você é uma mulher inteligente e tenho certeza que pode ver onde isso vai dar.
- O Senhor quer que eu... – não consegui terminar a frase.
- Quero que se case comigo, para eu conseguir a cidadania americana.

Vamos pensar em uma forma lógica, o que não é possível. Não seria nada mal se casar com ele. É muito bonito, até para o mais alto padrão da beleza masculina, mas enganar o governo? Isso é crime, contra a lei. E porque eu?

- Porque eu? – disse sem pensar.
- Conversei com Ashley, sua supervisora. Ela disse que você não é tão fã de casamentos, e que está desiludida com a raça masculina. Não há pessoa melhor do que você para entrar nesse acordo comigo.
- Isso não diz nada a respeito de eu me interessar a casar com alguém para conseguir um visto vitalício.
- Se eu ofendi você - ele disse, levantando-se. - Peço desculpas.
- Espera! - eu disse. - É sério isso que você está falando?
- Sim - ele respondeu. - É claro.
- Você não está pregando uma peça muito bem elaborada em mim? - O sorriso dele reapareceu.
- Que tipo de pessoa você acha que eu sou?
- Presumo que eu vou ser recompensada de alguma forma? - falei, tentando parecer calma.
- Claro! – disse Sr. Efron sorrindo – Você terá que cumprir algumas tarefas, como morar comigo pelo próximo ano, para manter as aparências. Você não terá nenhuma despensa, eu a sustentarei durante o período. Quando chegar o término do contrato, você será recompensada com dois milhões de dólares.  Contanto que faça um esforço razoável pra manter a fachada intacta.

Dois milhões de dólares?! Ai Meu Deus!

- O que seria um esforço razoável? - eu quis saber, e ele pegou algumas folhas de sua mesa e virou algumas páginas.
- Isso está esclarecido aqui. – ele mostrou a página. É claro que havia um contrato escrito. - Você está concordando em passar no mínimo dez horas examinando os detalhes de nosso relacionamento fictício como preparação para a entrevista com o INS. Quando estivermos em público você vai se comportar o tempo todo como se fôssemos um casal. Isso pode incluir algum tipo de interação física. Eu espero que você... Concorde!
- Eu me sinto na obrigação de ressaltar que um contrato para um acordo ilegal não será válido no tribunal.  – o advogado disse após suspirar alto. Eu nem tinha pensado nisso, mas é claro que ele estava certo.
- O contrato é uma formalidade. Apenas pra esclarecer as nossas obrigações. – Sr Efron explicou.
- Pode me dar um tempo pra pensar?
- Você pode examinar o contrato da forma mais minuciosa que quiser, mas receio que eu não posso permitir que ele saia dessa sala. Por razões óbvias.
- É claro!- falei. Folheei as páginas.
- Você pode levar alguns dias, se quiser venha ao meu escritório sempre que quiser dar uma olhada no contrato. Ele vai ficar na minha mesa. - disse Sr. Efron.
- Obrigada - respondi. - Acho que eu vou voltar amanhã. - ele concordou, pegando os papeis que estavam comigo e endireitando-os.

- Até amanhã então!

Adaptação do livro "Casei com um milionário" de Melanie Marchande.

----------------------------------------

1° Capítulo postado! Ebaaaa!!!!
Espero que tenham gostado, vou tentar resumir o máximo o livro, pra ficar sem delongas rsrsrsrs
Comentem e deixem suas sugestões!!
5 comentários para o próximo ;)


6 comentários:

  1. A Vanessa tem q pensar bem e aceitar logo se casar com o Zac!!
    Ansiosa pra saber como vai ser os dias deles de casados...
    Posta maiiis....
    Xoxo

    ResponderExcluir
  2. Muitoooo d+ cara a V tem q aceitar se ela N aceitar eu aceito

    ResponderExcluir
  3. Aahhh já estou adorando a fic...posta mais vai. Bjosss estou ansiosa

    ResponderExcluir
  4. Amei, vai ser incrível essa fic, posta mais !!! Bjs

    ResponderExcluir
  5. Estou amando essa fic, simplesmente incrível, não perco por nada, posta logoo !!! Beijos !

    ResponderExcluir
  6. Demais. A nessa tem q aceitar , postaaa

    ResponderExcluir

Expresse sua opinião e deixe sugestões ;)